GURUDHARMAS: Processos de construção e corrupção do cânon referente às obrigações de monjas budistas iniciantes

Há cerca de 2.500 anos, as mulheres se determinaram a romper as barreiras impostas pela sociedade indiana e trilhar o caminho para o Completo Despertar. Para isso elas pediram ao Buda para que fosse fundada uma comunidade monástica para as mulheres.

A história desta fundação é contada no cânon em diversos textos. Em poucas palavras, para que a fundação da comunidade acontecesse, Mahāprajāpatī Gautamī, a madrasta do Buda, decidiu se tornar uma monja e pede ao Buda a permissão. A pesquisa  é sobre dois dos textos que mostram essa história, os motivos pelos quais é narrado que o Buda não aceita de início, e o fato de que Mahāprajāpatī e as mulheres que a acompanhavam decidem então, fazer a primeira marcha das mulheres, andando mais de 200Km para demonstrar sua determinação e ter seu pedido aceito. A história narra três recusas, e a intercessão de Ananda a favor das mulheres. Por fim, o Buda concede autorização para fundação impondo como condição que as mulheres respeitassem oito princípios, chamados de Gurudharmas.

Para analisar esta história, a foram comparados  dois textos canônicos , o Discurso para Gotamī e o Kullavagga, no excerto correspondente ao décimo Kandaka.  Contando com vasta pesquisa bibliográfica, a dissertação aborda os pontos principais da história dos pedidos de Mahāprajāpatī, apresentando os indícios de corrupção no texto canônico, em relação precisamente a esses princípios.

– Por Monja Nirvana França

Acesse ao link da dissertação: Em breve.